25 de maio de 2015

Foi o reconhecimento por ações de fortalecimento da organização indígena e manejo do pirarucu. Por: Carla Ninos/OPAN Brasília (DF) – A experiência do manejo sustentável do pirarucu rendeu à OPAN o Prêmio Nacional de Biodiversidade na categoria sociedade civil, entregue pelo Ministério do Meio Ambiente (MMA) na última sexta-feira, 22 de maio. O trabalho, desenvolvido desde […]

Foi o reconhecimento por ações de fortalecimento da organização indígena e manejo do pirarucu.

Por: Carla Ninos/OPAN

Brasília (DF) – A experiência do manejo sustentável do pirarucu rendeu à OPAN o Prêmio Nacional de Biodiversidade na categoria sociedade civil, entregue pelo Ministério do Meio Ambiente (MMA) na última sexta-feira, 22 de maio. O trabalho, desenvolvido desde 2008, tem trazido resultados concretos para o fortalecimento da organização social do povo Paumari do rio Tapauá, além de gerar renda e garantir a conservação do pirarucu, espécie ameaçada de extinção no estado do Amazonas.

O povo da água, de fala mansa e cadenciada,  conhecedor do mundo aquático, deu uma grande volta por cima, reconquistou a autoestima e hoje é referência no sul do Amazonas quando se fala em manejo pesqueiro.

Para saber o que esse prêmio significa para o povo Paumari, bastou observar Germano Paumari, que foi à Brasília participar da cerimônia de entrega realizada no Auditório Wladimir Murtinho, subsolo do Palácio do Itamaraty. Com o já conhecido sorriso largo no rosto, eram os olhos brilhantes que falavam e mostravam o orgulho de estar ali vivenciando aquele momento. Sempre confiante e sentindo a importância desse prêmio para o povo, confessou ter ficado com frio na barriga na hora do anúncio do vencedor da categoria sociedade civil. “Fiquei orgulhoso de poder representar o meu povo Paumari dentro do Palácio do Itamaraty e de poder receber o prêmio. Isso fortalece o nosso trabalho. É muito bom saber que estamos sendo vistos nacionalmente”, comentou, emocionado, já com o prêmio em mãos.

A emoção de Germano foi traduzida em aplausos da plateia quando ele foi apresentado por Gustavo Silveira, coordenador do Programa Amazonas da OPAN, ao receber a homenagem “O prêmio foi o reconhecimento de um trabalho, tanto da OPAN quanto dos Paumari, da preocupação diante de um desafio que eles tinham, que era o comprometimento do estoque pesqueiro do pirarucu e outras espécies, e de recuperar esse estoque para a alimentação e comercialização legal ”, comentou Silveira.

A premiação contou com a presença de autoridades como a ministra do Meio Ambiente, Isabella Teixeira, e o ministro das Relações Exteriores, Mauro Vieira, que discursou na abertura da cerimônia e disse que esta é uma oportunidade “para assumirmos compromissos comuns”, ao destacar a importância do tema para Brasil e o mundo.

Gustavo Silveira falou sobre a conservação da biodiversidade, que não é uma tarefa fácil, principalmente quando se trabalha com espécies ameaçadas de extinção, caso do pirarucu. “A pressão externa é muito grande e a falta de apoio do governo tanto para as fiscalizações quanto para a estruturação da cadeia produtiva são dois dos principais gargalos para se manter um projeto como esse”.

Vencedores em todas as categorias do Prêmio Nacional de Biodiversidade. (Foto de Carla Ninos)

A ministra Isabella Teixeira discursou ao final da entrega dos prêmios e confessou estar muito “orgulhosa de ver a iniciativa do manejo do pirarucu como um dos vencedores do prêmio”. Ela reforçou a preocupação de Gustavo Silveira ao citar “a mensagem do vencedor aqui é importante em função de toda pressão que nós sentimos quando a gente edita uma lista de espécies ameaçadas de extinção. Passam a ideia de que queremos inviabilizar a pesca no Brasil. Essa iniciativa é prova de que o manejo, como noção de sustentabilidade, não só recupera espécies como também é possível oferecer a proteína (o alimento) e não degradar a natureza”.

Esta é a primeira edição do Prêmio Nacional da Biodiversidade, quando o Ministério do Meio Ambiente reconhece o mérito das iniciativas que visam à melhoria ou manutenção do estado de conservação das espécies da biodiversidade brasileira em seis categorias: academia, empresa, imprensa, organizações não-governamentais, órgãos públicos e sociedade civil. Também houve a categoria Júri Popular, que contou com votação realizada pela internet com participação de 63 mil votos. Elas escolheram o projeto “Conservação do peixe-boi amazônico na Amazônia brasileira”, desenvolvido pelo Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá.

O manejo

Inicialmente, o povo Paumari do rio Tapauá optou por ficar cinco anos protegendo o pirarucu da pesca predatória em seus lagos, mantendo apenas atividade para subsistência. Esse era um esforço para recuperar o estoque que estava muito baixo. Essa experiência é a única de que se tem notícia realizada em terras indígenas na região do Purus, consolidando-se como uma alternativa para o povo Paumari na garantia da gestão e da proteção de seu território.

O manejo proporcionou a volta do pirarucu às terras indígenas Paumari. (Foto de Adriano Gambarini)

A primeira pesca autorizada pelo Ibama, realizada em setembro de 2013, foi permeada por uma grande expectativa  por parte dos Paumari, da OPAN e parceiros.. Ao todo, 50 peixes foram pescados, totalizando 3.500 kg de pirarucu e uma renda total de R$ 26.422,50. Com os números positivos e os sinais de recuperação dos peixes, os Paumari abraçaram de vez o manejo.

Em outubro de 2014, a segunda pesca rendeu 4.950 quilos. A média de peso foi de 58 quilos, vendidos a R$ 7,50 (valor unitário por quilo). Os 85 peixes foram comercializados por R$ 37.125,00 e 30% deste valor foi guardado pelos indígenas para investimentos futuros na própria pesca. O restantefoi dividido entre os Paumari através do sistema de pontos, uma forma de tentar remunerar cada um de acordo com o seu envolvimento no trabalho do manejo, que inclui outras ações como a vigilância territorial, reuniões, contagem dos peixes para o estabelecimento da cota e a pesca propriamente dita.

Hoje, o povo Paumari realiza discussões muito maduras sobre o processo e a organização interna da pesca. A partir da elaboração do plano de gestão territorial e a implementação do plano de manejo, eles aboliram a pesca predatória de suas terras e conseguiram fazer gestão sustentável de seus lagos.

Para Germano Paumari, o prêmio vai incentivar ainda mais o povo a continuar o trabalho e a fortalecer o grupo. “A gente tem conseguido estreitar o diálogo com a frente de proteção e fiscalização e, ainda neste ano, devemos começar a mapear os locais onde ocorrem mais invasões nas nossas terras, para então desenvolver um trabalho de conscientização e, posteriormente, acionar os órgãos competentes, de fiscalização e apreensão”, conclui o professor, ansioso para chegar em casa e comemorar essa conquista com seu povo.

Contatos com a imprensa

Carla Ninos – carla@amazonianativa.org.br

Telefones: 65 9958-6109 e 65 3322-2980

www.amazonianativa.org.br

www.facebook.com/raizesdopurus

Flores, lágrimas e força

28 Nov, 2022

Países insulares seguem sendo grandes propulsores de avanços no debate sobre clima no mundo. Povos indígenas exigem participação em fundo sobre perdas e danos.

A PNGATI e a esperança por dias melhores

09 Nov, 2022

De diversas regiões da Amazônia, representantes indígenas compartilham na COP27 reflexões e experiências sobre a PNGATI à luz do novo governo no Brasil.

Brasil dá seu recado no Egito

05 Nov, 2022

Delegação da Amazônia brasileira abre trabalhos na COP27 com contribuições técnicas na reunião da Plataforma Indígena da UNFCCC. Barreira do idioma ainda é desafio.
Nossos Parceiros
Ver Mais